Vestindo Ideias: filmes ação Vestindo Ideias: filmes ação
Mostrando postagens com marcador filmes ação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador filmes ação. Mostrar todas as postagens

05 fevereiro 2019


O filme retrata a humanidade que pode existir mesmo em quem não nasce humano

Antes da estreia o filme já está dividindo opiniões entre a crítica, há aqueles que dizem que será o primeiro fracasso de ficção científica de James Cameron e do diretor Robert Rodrigues. O que vemos no entanto na tela é uma adaptação de um mangá que tentou manter suas características.

Após “a queda”, como é chamado uma guerra que culminou em como o mundo está, começou-se a divisão entre a única cidade flutuante que sobrou, Zalen, e a Cidade de Ferro. Para assistir o filme deve-se ter uma mente aberta e pensar em mais uma distopia futurística, um gênero de filme que vem sendo explorado há anos.

Na Cidade de Ferro somos apresentados ao cybercirurgião Ivo (Christoph Walts), que em uma ida ao ferro velho encontra uma ciborgue ainda com vida (Rosa Salazar). Ele a entrega um corpo, já que as únicas partes que sobraram de si foram seu rosto e seu coração. Ao despertar, apesar de seu cérebro intacto, a ciborgue que recebe o nome de Alita, não se recorda de nada que aconteceu em seu passado.
crítica alita anjo de combate
Imagem: Divulgação


Apesar dos cuidados de Ivo, a ciborgue decide que precisa relembrar sua história. É quando suas características de combate começam a aparecer, fazendo com que a personagem entre em “confusões” e chame à atenção dos vilões do longa metragem.

Assisti em sala Imax e posso dizer que os efeitos e os cuidados para parecer real estão realmente maravilhosos, muitos acreditam que Rosa Salazar deixou a desejar ao não transparecer atuação, porém como foi dito pelos diretores em entrevista ao Fantástico (Rede Globo de Televisão) no último domingo essa era a intenção. Em muitos momentos eu esquecia que se tratava de uma ciborgue e poderia pensar facilmente que era apenas uma humana. Nessa reportagem foi dito que os olhos de Alita incomodaram por serem grandes, não os achei tão grande e  poderiam até mesmo serem maiores.

Apesar de uma bela elaboração,que a trama de personagens secundários foi pouco explorada, mas como não li o mangá não posso afirmar que isso foi um defeito do filme. Porém, realmente há personagens, como a enfermeira Nurse Gerhad (Idara Victor), foram poucos explorados, já que ela em si não obteve nenhuma fala.
crítica filme alita anjo de combate
Imagem: Divulgação

O vilão principal também não está em evidência, mas não chega a prejudicar a trama. O longa metragem traga a questão de “anti herói” já que Ido se mostra também corruptível, apesar de ser explicado seus motivos. O romance em si do filme, achei bom mas não senti que ocorre a química entre Hugo (Keean Johnson) e Alita, mas o jovem seria a personificação ideal de anti herói, apesar de também ter sido pouco explorado. Essa parte me lembrou um pouco de “O homem bicentenário” que lutou tanto para ser considerado humano e se apaixonou, mas por ser uma adolescente a forma como Alita reagiu à tudo foi bem diferente desse filme citado. A trama de haver uma cidade no alto e a parte debaixo, faz com que lembremos da série brasileira original da Netflix 3%, onde há a divisão de continente e Mar Alto e também se trata de uma distopia. Apesar de uma história bem única, o trama de Rodrigues e Cameron, consegue trazer as essências de distopias já criadas.
filme alita anjo de combate
Imagem: Divulgação

No geral, o filme foi surpreendente para alguém como eu que não é fã de filmes de ação, pois retrata a humanidade que pode existir até mesmo em cyborgues. A ideia do filme foi boa, paralelamente com a estreia também haverá o lançamento do livro, onde acredito que muitas das questões faltantes poderão serem respondidas.
O final foi ótimo e talvez tenha revelado que poderá haver uma continuação. Apesar das críticas negativas, espero que isso possa ocorrer.

Ficha técnica:Duração: 2h22minDireção: Robert RodriguezProdução: James CameronNacionalidade: Estados Unidos, Argentina e CanadáDistribuidora: Fox Filmes BrasilEstreia: 14 de fevereiro





16 setembro 2018

Parece que toda vez que eu venho fazer uma resenha aqui no blog da Ca eu tenho uma confissão a fazer hahaha. Dessa vez fui assistir ao filme “O Predador:A Caçada Evoluiu” e a minha confissão é: não assisti aos filmes anteriores! Mas enfim, vamos para o que interessa que é a resenha do filme. A premissa desse filme é a volta dos Predadores à Terra. Assim o filme é envolto por cenas de ação (quase exclusivamente) e é aquele festival de matanças e por isso aqui no Brasil a classificação indicativa é +18. Se você é daquelas pessoas com estômago fraco e que não conseguem ver sangue ou tripas, esse filme não é para você.
Analisando o filme em si, eu achei bem mediano. Primeiramente achei a história bem fraca não tem um super enredo ou um plot twist que te deixa boquiaberto. 
resenha filme o predador a caçada evoluiu
Imagem: Divulgação

Honestamente, eu senti que eles tentaram algo parecido (no estilo de muita ação, muito sangue e piadas) com Deadpool mas passaram bem longe. As atuações também não são as melhores, não exploraram as histórias dos personagens o que faz com que você não crie nenhuma conexão com eles. Para mim poderiam ser quaisquer outros personagens/atores que não faria a menor diferença, fazendo com que as atuações mais uma vez fossem bem medianas. Destaque para o ator mirim Jacob Trembley que tem uma atuação boa dentro do papel e que é o único que tem uma importância real para o filme. As coisas que me agradaram foram os efeitos especiais estavam bem feitos apesar de não serem nada demais, há momentos de alívio cômico (são momentos ok, legais...), para quem gosta é um filme com ação do começo ao fim e as cenas são bem-feitas e as cenas em 3D achei que são boas e não atrapalham e não são cansativas quando estamos assistindo ao filme.  
filme o predador a caçada evoluiu
Imagem: Divulgação

Tem referências aos antigos Predadores no filme, mas é quase que um detalhe que na minha opinião poderia ter sido mais explorado e o final eu achei que deixou uma ponta solta deixando em aberto a possibilidade de um novo filme. 
No mais é um filme mediano 6/10, que não me convenceu muito. Se você gosta de ação e sangue é um filme bacana, mas se estava esperando um pouco mais da história talvez irá se decepcionar.

Espero que  tenham gostado, beijos de luz, raio, estrela e luar!!! Fe Sartori xx

Sinopse: Uma perseguição entre naves alienígenas traz à Terra um novo predador, que acaba sendo capturado por humanos. Antes disso, ele tem seu capacete e bracelete roubados por Quinn McKenna (Boyd Holbrook), um atirador de elite que estava em missão no local onde a nave caiu. A bióloga Casey Brackett (Olivia Munn) é então chamada para examinar o ser recém-descoberto, mas ele logo consegue escapar do laboratório em que é mantido cativeiro. Ao tentar recapturá-lo Casey encontra McKenna, que está em um ônibus repleto de ex-militares com problemas. Juntos, eles buscam um meio de sobreviver e, ao mesmo tempo, proteger o pequeno Rory (Jacob Tremblay), filho de McKenna, que está com os artefatos alienígenas pegos pelo pai.
Data de lançamento: 13 de setembro de 2018 (1h 47min)Direção: Shane BlackElenco: Boyd Holbrook, Olivia Munn, Sterling K. Brown maisGêneros Ação, Ficção científicaNacionalidade: EUADistribuição: Fox Filme do Brasil

07 agosto 2018



Para quem gosta de filmes com uma violência não explícita é uma boa pedida

O filme dirigido por Lynne Ramsay, conhecida pelo longa Precisamos falar sobre o Kevin, tem um teor de violência melancólica que lembra um pouco sua obra antiga. Em Você nunca esteve realmente aqui, vemos um veterano de guerra que ganha sua vida salvando garotas e  sendo violento com quem abusa delas. A violência não é explicita, não há enquadramento nessas horas é algo mais distante, aterrorizador e enfocada por enquadramentos de corpo inteiro.
crítica filme você nunca esteve realmente aqui
Imagem Divulgação

O longa é baseado na obra de Jonathas Ames, e retrata como é a vida de alguém que tem um trabalho violento e como ele é com as pessoas que ama. A fluidez do filme é garantida com a trilha sonora, dirigida por Jonny Greenwood da banda Radiohead, e os efeitos, que dão ritmo até mesmo em cenas paradas.
A fotografia, efeitos e referências com filmes de Tarantino, por exemplo, são vistas facilmente. O ritmo é bem diferente de Hollywood, mas confesso que dessa vez deixou a desejar. Apesar de ser necessário para entendimento do enredo, houve muitas partes longas e desnecessárias.
Crítica você nunca esteve realmente aqui
Imagem divulgação

O roteiro tem falhas e acredito que por se tratar do psicológico poderia ter sido melhor explorado, o personagem  Joe, interpretado por Joaquin Phoenix, apesar das falhas de roteiro consegue superar esses problemas por conta de sua atuação. O personagem Joe não é de se expressar através da fala, mas por suas expressões e memórias fortes criam um clima incômodo durante toda a sessão, que lembra bastante à obra por qual Ramsay ficou conhecida.
Apesar da atuação fantástica, senti falta de conhecer um pouco mais sobre a garota que estava sendo salva, sobre o porquê de tudo ter acontecido e até uma maior atenção aos problemas psicológicos de Joe, que consegue ser violento e amoroso sem mudar muito.
Os detalhes do filme são excepcionais, ainda mais pelo enfoque no martelo que o personagem usa para matar suas vítimas, ou na preocupação dele com o que comprar para agradar uma garotinha que estava sendo usada pelo tráfico.
crítica você nunca esteve realmente aqui
imagem divulgação

Apesar de uma boa premissa, em minha impressão se tornou um filme raso e o que realmente o salva é a atuação de Joaquin. O filme mistura ação, suspense e drama e como dito possui um ritmo bem diferente do habitual e que poderia ter sido feito de outra maneira, talvez a preocupação com a estética tenha sido maior do que a complexidade do roteiro. Apesar de Ramsey falar sobre temáticas não exploradas, o filme não chega aos pés de suas outras obras e deixou a desejar em emoção, mas não em sangue e clima pesado que são uma de suas caraterísticas e porque atualmente o filme está sendo comparado à taxi driver. Apesar de válida a comparação, acredito que só uma boa fotografia não conseguiria salvar um filme que deixou tantas falhas no ar. O filme estreia no dia 9 de julho de 2018.
Sinopse: Um homem, veterano de guerra, ganha a vida resgatando mulheres presas em cativeiros trabalhando como escravas sexuais. Após uma missão malsucedida em um bordel de Manhattan, a opinião pública se torna contra ele e uma onda de violência se abate na região.

Ficha técnica:
Data de lançamento 9 de agosto de 2018 (1h 30min)
Direção: Lynne Ramsay
Elenco: Joaquin Phoenix, Ekaterina Samsonov, John Doman mais
Gêneros: Suspense, Drama
Nacionalidades: Reino Unido, França, EUA
Produção: British Film Institute (B.F.I.)
Distribuidor brasileiro (Lançamento): Supo Mungam Films


Locais de exibição:SÃO PAULO:Espaço Itaú de Cinema Augusta,Caixa Belas Artes,Reserva Cultural,Cinesala,Kinoplex Itaim e Cinesystem Morumbi Town / RIO DE JANEIRO:Estação NET Botafogo,Estação NET Gávea,Espaço Itaú de Cinema Botafogo,Espaço Rio Design,Cine Star Laura Alvim eKinoplex Fashion Mall / BELO HORIZONTE: Cinema Belas Artes / BRASÍLIA:Espaço Itaú de Cinema Brasília eCine Cultura Liberty Mall / PORTO ALEGRE:Espaço Itaú de Cinema Porto Alegre e Guion Cinemas / CURITIBA:Espaço Itaú de Cinema Curitiba / NITERÓI:Rserva Cultural Niterói / SALVADOR:Espaço Itaú de Cinema Salvador eSaladearte Museu / RECIFE:Moviemax Rosa e Silva,Cinema da Fundação Derby eCinema da Fundação Museu / FORTALEZA:Cinema do Dragão/ FLORIANÓPOLIS:Cineshow Beiramar/ GOIÂNIA:Lumière Bougainville/ VITÓRIA:Cine Jardins/ SANTOS:Espaço Miramar / TERESINA:Cinemas Teresina / MACEIÓ:Cine Arte Pajuçara /

22 fevereiro 2018

Um filme com nudez explícita, romance e ação

Sinopse: Dominika Egorova (Jennifer Lawrence) é selecionada contra sua vontade para se tornar uma "pardal"- uma mulher sedutora treinada no serviço de segurança russo. Inspirado no livro do ex-oficial da CIA, Jason Matthews, "Roleta Russa" reúne Jennifer Lawrence com seu diretor de "Jogos Vorazes", Francis Lawrence, além de Joel Edgerton, Matthias Schoenaerts, Charlotte Rampling, Mary-Louise Parker e Jeremy Irons.


resenha operação red sparrow
Imagem: Divulgação

Moscou, inverno. Dominika Egorova é uma jovem russa bailaria que faz grandes apresentações com a companhia Bolshoi. Em uma de suas apresentações mais importantes seu parceiro comete um erro, o que faz com que a personagem acabe muito machucada.

Nataniel Nash, ou Nate, é um agência da CIA que após um erro ao proteger seu informante acaba na mira dos Russos e é por isso que acaba por conhecer Dominika.

O filme, inspirado no livro “Roleta Russa” explora o mundo da CIA e como a Rússia possui espiões e os cria. Dominika não vira uma sparrow (pardal) por querer, ela se torna para sobreviver ao presenciar uma cena de um crime. Mas nem tudo nessa história é tão fácil de explicar, como por exemplo o fato de quem mandar a personagem para um centro de treinamento é seu tio.

Nesse local mulheres e homens não aprendem apenas como arrombar porta ou como identificar o que seu adversário precisa, mas sim a seduzir o próximo de forma a obter informações.

Dominika desde o primeiro momento é nos apresentada como uma mulher forte, em minha humilde opinião nunca vi Jennifer Lawrence tão bem em um filme como está nesse. Por ser uma filme dramático, conseguimos sentir toda a intensidade da cena apenas com o olhar da atriz. Porém, nem tudo são flores. O filme teve sim seus erros, o par romântico – Nate – se mostrou um péssimo parceiro, já que não houve química entre os dois, deixando as cenas de romance em dúvida se era pra ser algo forçado ou se era para ter amor.

O tio de Dominika foi um caso interessante, afinal que tipo de pessoa envia sua sobrinha para “a casa das putas” como é mencionado no filme? Diferentemente do ator que interpreta o Nate, esse realmente consegue ter uma química com a personagem fazendo até mesmo saírem faíscas da tela.

O filme como o próprio diretor Francis Lawrence definiu na coletiva de imprensa “É original, não uma cópia, é algo com um ar novo” e que na minha opinião se casa perfeitamente com o que vem sendo discutido na política atual em relação EUA X Rússia.

Figurino
filme operação red sparrow
Imagem: Divulgação

Esse foi realmente um show à parte, num primeiro momento vemos Dominika usando uma roupa simples para sair para trabalhar e no dia que acontece o acidente sua roupa estava simplesmente fabulosa, além da maquiagem.

O figurista nesse caso soube compor uma cena bem, já que para cada momento da vida da personagem havia um tipo de roupa que foi se adequando e deixava a cena combinando com  o humor da personagem. Foram vestidos desde sexy normal, até puritanos e roupas cotidianas tudo isso casando muito bem e tendo um tipo certo de estilo sem parecer algo forçado. Isso me lembra que a fotografia e enquadramento do filme foi muito bem feita e que soube dar ritmo perfeitamente para a história.

Considerações finais
filme operação red sparrow
Imagem: Divulgação

O longa metragem foi claramente muito bem produzido, o som e imagem impecáveis. A escolha da protagonista e família foi acertada, porém não do seu par romântico. Inclusive, por ela ser tão incrível e tão inteligente não precisava disso.

O filme possui sim muitas cenas de sexo e nudez explícita – feminina e masculina – tanto que nos EUA a idade permitida para se assistir ao filme é 17 anos, porém compensa assistir. Outro detalhe é que o filme é longo (140 min) e durante os minutos que antecederam o ápice filme, senti que estava um pouco cansativo, mas meu incômodo durou cerca de 20min no máximo e não prejudicou em nada ao meu ver. 

Adendo importante: Ocorrem cenas de tortura (que não posso falar o porquê pra não dar spoiler) então quem não consegue assistir cenas assim, sugiro pensar sobre ir.

Indico para quem gosta de um filme que é bem fora da caixinha e que consegue misturar três gêneros em um só. Quanto a classificação etária no Brasil está em 16 anos. Operação Red Sparrow estreia no dia 1º de março.

*Filme assistido no dia 21 de fevereiro de 2018

*Entrevista coletiva no dia 22 de fevereiro de 2018

Me siga @caahwolf