Vestindo Ideias: sessão pipoca Vestindo Ideias: sessão pipoca
Mostrando postagens com marcador sessão pipoca. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sessão pipoca. Mostrar todas as postagens

17 fevereiro 2018

Sextou e você não vai sair? Ou é sabadão e você está em casa embaixo das cobertas? Então pega papel e caneta ou abre o seu bloco de notas e vem anotar as dicas de filmes que tenho para vocês. Eu tinha diminuído drasticamente a minha quantidade de filmes assistidos, mas confesso que estava ficando um pouco sem criatividade e enjoada de tanta série e dei uma chance aos filmes.

Dessa vez eu quis fugir um pouco de assistir só suspense e terror e tem até mesmo um romance na lista, porque às vezes é bom mudar um pouco né?

O PODER E A LEI

Mick Haller é um advogado criminalista carismático que conduz seus negócios de dentro de seu carro. Mick passa a maior parte de seu tempo defendendo criminosos mesquinhos e oportunistas, por isso é uma surpresa quando consegue um caso de grande importância: defender um playboy de Beverly Hills acusado de tentativa de homicídio. No entanto, o que Mick inicialmente pensa ser um caso que será facilmente resolvido e lhe renderá um bom dinheiro, se transforma em algo sinistro e sua vida corre risco.
suspense policial o poder e a lei

Aquele típico filme de investigação policial que tanto amo! Mick é um advogado que trabalha praticamente dentro do seu carro e é um costuma atender clientes culpados e convence a corte que eles são inocentes. Sempre com casos tradicionais como um cara que sempre é preso por tráfico de drogas. Porém um dia um riquinho de Beverly Hills aparece alegando inocência de um crime que tem tudo para não ter sido ele. Conforme o filme vai passando vamos tendo uma visão de tudo que aconteceu e vemos uma tensão constante. Foi um filme bem tradicional, sem grandes inovações no roteiro mas conseguiu prender minha atenção do começo ao fim. Está na Netflix.

CONTINUE ASSISTINDO (KEEP WATCHING)

Uma família se torna refém em sua própria casa de um grupo de invasores, que brincam com eles em um jogo de vida e morte. Enquanto a noite se desenrola, as novas regras apresentadas pelos criminosos abrem caminho para que as vítimas percebam que não se trata de uma simples invasão.
continue assistindo suspense terror

Filme estadunidense dirigido por Sean Carter lançado em 2017 é um daqueles filmes que fogem bem do padrão de quem gosta de um bom suspense. O filme começa contando a história de uma família que foi morta ao vivo na internet, enquanto todos que assistiam acreditavam ser armação e que não era real. É então que somos apresentados à família que será a próxima vítima que são: Uma garota que não aceita sua madrasta e faz terapia, um garoto novo que gosta de jogos, uma madrasta mais nova que seu marido e bonita, o pai das crianças e o tio que é "encostado". O terror começa quando se ouve um barulho esquisito no andar debaixo e o pai das crianças é assassinado. À partir de então começa-se um perseguição de não poder sair da casa, não conseguir pedir ajuda e o sofrimento perante à morte. O longa tem algumas falhas como: Pra quem o pai estava devendo dinheiro? E outras falhas que não posso falar por ser spoiler. É um bom filme, uma boa premissa mas poderia ter um roteiro mais elaborado. Não está disponível na Netflix.

QUANDO NOS CONHECEMOS

Noah (Adam Devine) teve um encontro perfeito com a garota dos seus sonhos (Alexandra Daddario), mas é visto apenas como um amigo por ela. Ele passa então os próximos três anos tentando entender o que aconteceu de errado, até que ele tem a inesperada chance de viajar no tempo e alterar a noite e seu destino, mais de uma vez.
quando nos conhecemos comédia romântica

Ok, esse filme é 100% comédia romântica ok? Original da Netflix, o filme mostra aquela famosa friendzone onde algumas pessoas dizem que vão parar. Noah é um cara decente, um cara que aceitou até mesmo que o amor da sua vida se casasse, até o dia do seu noivado. O personagem bebe muito nesse dia e vai parar num bar, onde o seu amor pela melhor amiga começou é então que o inacreditável acontece: Ao entrar em uma cabine de fotos ele é transportado para o dia 31 de outubro de 2014, quando a conheceu e tem a chance de mudar tudo. O filme inteiro é Noah voltando para esse dia para mudar tudo e tentar conquistar sua amada. É um filme engraçado e romântico na medida certa que pode trazer até mesmo ensinamentos. Eu gostei muito, principalmente por ser uma pegada mais leve e a moral me lembrou de Alice no país das maravilhas 2. Está na Netflix.


E então, gostaram de alguma indicação?

21 outubro 2017

Graças a minha meta de ser alguém organizada esse ano, estou conseguindo dar conta em ler livros, assistir séries e ver ao menos 2 filmes por semana! Sim, parece loucura ainda mais levando em conta o blog e o canal, mas isso me deixa ainda mais animada.

Percebi que estava vivendo uma fase de só assistir terror e suspense, logo decidi que era hora de mudar e me aventurar a assistir novos gêneros.

O primeiro filme de hoje é um filme de ação, mas é classificado como suspense acredito eu e o segundo é uma comédia romântica, caso você me acompanhe sabe que é muito raro assistir um filme assim.


Amizade desfeita

Um filme bem diferente, me lembrou o caso do livro Perdão, Leonard Peacock pelo seu jeito de ocorrer em apenas um dia. O filme começa com o casal Blaire e Mitch que estão fazendo sexo virtual pelos seus notebooks, até que seus outros 4 amigos entram na conversa e um desconhecido entra junto. O filme inteiro se passa no computador de Blaire e alternando entre a vídeo chamada do grupo, sua conversa com o namorado e com uma pessoa que se passa por uma conhecida que acabou de falecer.

Laura Barns cometeu suicídio por conta de bullying que sofreu por esses 6 amigos e uma pessoa se passa por ela usando o pseudônimo "billie227" que por acaso também é de sua conta de sua conta de skype. O filme não tem uma super produção e se dá inteiro por uma tela de computador, alternando vez ou outra a câmera.

A forma como a pessoa joga com eles os forçando a não desligar e os obrigando a revelar seus segredos mais íntimos é no mínimo assustador. O tempo inteiro queremos descobrir quem é a pessoa que está fazendo isso e como ela sabe de tudo, confesso que foi um filme bem diferente do que estou acostuma à assistir mas que vale muto à pena.

AMOR.COM

Um filme sobre a blogosfera? Talvez, mas não classificaria assim. Katrina é uma famosa blogueira que manda e desmanda na indústria da moda com um canal de 5 milhões de inscritos. Fernando é um youtuber de games que faz bico consertando computadores. 

Katrina é a razão, a praticidade do estar sorrindo o tempo todo. Já Fernando é a emoção, é viver e saborear cada momento mesmo tendo dias ruins. Se conhecem quando um dia fotos nuas de Katrina vazam na internet e ela conhece Fernando que age como hacker para excluir todas as fotos antes que venham à público.

É aí que o romance começa e vemos como o público da internet é em sua maioria ruim. Se estão juntos ele está com ela por interesse, se estão separados que pena... Ninguém nunca está satisfeito.

O filme pode não se aprofundar em nada, mas sabemos que uma coisa certa o filme mostra: Que sim, há muita gente que vive de aparências nesse meio.

Se você curte um romance água com açúcar vale à pena.

E então, já assistiram algum desses filmes?

11 agosto 2017

Se existe algo no qual eu sou viciada total é assistir um filme que seja de terror com suspense e sem nada de gente incorporando espíritos nem nada. É exatamente o caso de Nunca diga seu nome, que foi dirigido por Styce Title.

O filme já começa com emoções, mostra-se um homem perturbado que mata algumas pessoas ao perguntar se ela contou o nome "dele" para alguém. Após essa cena impactante somos apresentados ao mundo atual. Três amigos, um casal de namorado e um cara, decidem morar juntos enquanto fazem faculdade e compram uma casa.

Os personagens são: Elliot, Sasha e John. Eles fazem uma festa para inaugurar a casa e uma amiga, Kim, diz que a casa tem uma presença negativa e Elliot tem certeza que ela está mentindo. Acontece que minutos antes Elliot foi ao seu quarto e encontrou um anel que sua sobrinha havia achado, ele tentou o colocar na gaveta, porém o anel ia para o chão. Ao analisar a gaveta ele encontra a frase "Não fale, não pense" e embaixo o nome "Bye Bye Man". 

Durante a sessão para ver o que há de errado, Kim vê que há uma presença negativa e após um teste pra ver se ela é realmente sensitiva,  Elliot começa a acreditar e por isso diz o nome que estava em sua gaveta em voz alta. É então que todos começar a ficar perturbados com a história.

Apesar das cenas fracas de sustos, o filme é interessante pelo suspense que causa. O modo como o Bye Bye Man age também é interessante, já que ele não move nenhum dedo para que elas causem a si mesmas o desastre. Ele age através de suas mentes e as faz ver coisas onde não tem, chega até a deixar Sasha doente.

Vi muitas resenhas negativas, não acredito que o filme tenha sido de todo ruim. O final é interessante porque gosto de quando as coisas ficam abertas, mas senti que faltou algo. Uma das coisas que senti foi que não houve nenhuma explicação sobre quem é o Bye Bye Man e seu cão que termina com suas vítimas. 

Por isso pesquisei à parte e me deparei com essa explicação, onde se conta que o filme foi inspirado em uma história The President’s Vampire: Strange-but-True Tales of the United States of America. Coincidentemente, com o lançamento do filme, o livro passou a se chamar The Bye Bye Man: And Other Strange-but-True Tales. A história entre eles em si é bem diferente, mas ao mesmo tempo faz todo o sentido.

A caracterização dessa fera deixou a desejar, preferia que fosse um capuz preto como na visão de Emma da Once a Upon Time (quem assiste vai me entender), mas com um investimento de apenas 7 milhões é de se entender que o filme não ia conter algo grandioso. (apesar de já ter visto filmes com menor orçamento e melhores).

Não é um filme ruim, muito pelo contrário o enredo tinha muito à acrescentar, se houvesse na 1h4o do filme explicações mais intensas eu indicaria para todos.

Alguém daqui já assistiu à esse filme?

21 julho 2017

Que a Netflix tem ótimas séries ninguém pode discordar, certo? Além disso há também os filmes originais desse aplicativo/produtora. Muitos dos títulos são novos e quase não possuem avaliação, afinal tudo que é novo dá medo né? Mas também há os filmes que não são seus originais mas que estão com boa recomendação apesar de novos.

Eu não assisto tanto longa metragens porque acabo me dedicando mais à séries mas é bom mudar não é mesmo? O filme Take Me não é um original da Netflix, ele foi dirigido pela Duplass Brothers Production, responsável por grandes sucessos como Blue Jay, Sem Segurança nenhuma entre outros. Já A noiva do Diabo foi dirigido por Saara Cantell uma finlandesa com sucessos locais.

TAKE ME
Ray (Pat Healy) é um empresário inexperiente especializado em simular sequestros de alta-qualidade. Certo dia, ele aceita o serviço de uma cliente misteriosa, Anna St. Blair (Taylor Schilling), que o contrata ao preço de uma boa quantia para sequestrá-la durante uma semana. O trabalho, no entanto, não é tão fácil quanto imaginava.
Em Take Me nós temo Ray, um cara divorciado que está em busca de pessoas que reconheçam seu trabalho como algo bom e não apenas assustador. Começamos o filme com o sequestrador fazendo um homem obeso comer muitos hambúrgueres, no final de 8 horas ele libera o cara. Acontece que seu trabalho é forjar sequestros (que duram apenas 8h pra não levantar suspeitas) e muitas vezes como mostrado no começo do filme não é pela emoção do sequestro e sim para ajudar a superar algo com métodos nada ortodoxos. É então que uma mulher que se identifica como Anna St. Blair liga para ele, oferecendo um valor muito mais alto que o normal por um sequestro de um final de semana inteiro e que ele deveria dar tapas nela (isso é contra a moral de Ray).Apesar dos pesares ele aceita essa situação e embarca na história montando tudo de acordo com o que Anna deseja. Quando ele a sequestra percebe que ela não sabe de nada e é então que a história inteira se desenrola.

Esse foi um filme que comecei a assistir com uma uma ideia e terminei com total outra! O trabalho de Ray pode ser bem fora dos padrões mas ele é cara bom que se preocupa com a família (que aparece em algumas cenas) e tem também um problema com a ex esposa que não é muito bem explicado. É uma história que ao final te deixa de queixo caído, mas garanto que vale a pena cada minuto assistido.

A NOIVA DO DIABO
1666, o início da caça às bruxas mais difundida e sistemática na história escandinava. Anna (Tuulia Eloranta), de apenas 16 anos, vive em uma vila na Ilha de Åland, onde as mulheres são acusadas de feitiçaria. Ao todo 16 foram condenadas e sete executadas.
Anna é uma menina sonhadora, criada por sua madrinha (que é a curandeira da ilha) ela possui emoções à flor da pele. Um dia pede para lerem sua sorte e vê um homem que vai aparecer para ser seu marido. Acontece que ao ver Elias voltando de viagem ela acredita ser ele seu grande amor e se entrega perdidamente à ele. Até aí tudo bem, porém ele é casado com Rakel, uma mulher que acabou de ter uma menina com Elias. Em meio à tudo isso sua madrinha é expulsa da ilha por ser acusada de feitiçaria pelo juiz Psilander que quer apenas que a ciência e a razão exista e vê bruxaria em tudo.

Como é um filme baseado em uma história real não espere grande reviravoltas é exatamente a história que nós já conhecemos. Porém, Anna que é uma menina mimada no começo se mostra uma mulher lutadora e aprende com seus erros. Se você procura um filme sem grande novidades mas com uma boa trama eu super indico. 

E então, já assistiram algum desses?

04 junho 2017


Sinopse: A história acompanha um final de semana na vida de Chris (Daniel Kaluuya), um jovem afro-americano que visita a propriedade da família de sua namorada. A princípio, Chris vê o comportamento exageradamente hospitaleiro da família como uma tentativa desajeitada de lidar com a relação inter-racial da filha, mas, no decorrer do final de semana, uma série de descobertas perturbadoras o levam a uma verdade que ele nunca poderia imaginar.
Corra! Foi um título muito indicado por todos, eu como recém formada tenho que pagar inteira no cinema então quando gasto meu precioso dinheiro necessita ser com algo bom.
Para entender melhor o filme é necessário entender a cabeça por trás desse filme, Jordan Peele que é filho de mãe branca e pai negro.  Entendido isso é hora de falar do filme. Na sinopse já nos é entregado que algo vai dar errado, que o filme em algumas partes pode ser meio assustador.

O jovem fotógrafo Chris vai conhecer a família da sua namorada branca, até aí já tivemos diversos filmes com essa temática sempre levando para o lado comédia. Antes de ir a pergunta “Rose, você avisou aos seus pais que sou negro?” e ela responde que não precisava disso. Logo no caminho há um acidente que começa a deixar tudo ainda mais esquisito para essa chegada.

Nesse ponto vale ressaltar que a fotografia do filme é muito boa, assim como os efeitos sonoros produzidos por todos os elementos do filme que faz com que cada barulho seja parte do filme.

Chegando lá os estranhamentos começam: Uma família branca que tenta de todas as maneiras agradar ao namorado da filha, dois empregados negros que agem completamente estranhos e também uma festa apenas para convidados brancos onde todos agem como se Chris fosse um objeto a ser apreciado.

Voltando a falar da trilha sonora, um dos pontos altos e que fazem a história girar é o momento da hipnose que é feito através de rodar uma colher em uma xícara de chá. Quando Chris é hipnotizado pela sua sogra já percebemos que há algo errado, pois tudo parece não estar no local que deveria.

Ele sempre liga para seu amigo, Rod, contando o que está havendo e é exatamente esse amigo que percebe que há algo de muito errado com tudo que está acontecendo. Não posso contar muito do filme, porque a partir da festa o que está acontecendo se torna evidente e o suspense aumenta. Vi muitas resenhas comentando sobre ser um filme de terror, se eu fosse classificar dessa maneira diria que é muito mais um terror psicológico onde temos que analisar nossas próprias vidas para entender que sim, ainda somos muito racistas e falamos frases como o pai de Rose e as famosas “eu não sou racista até tenho amigos negros”.

Todas as interpretações foram maravilhosas, os empregados esquisitos como Betty Gabriel que interpreta Georgina e faz uma das cenas que faz jus a definição de filme de terror. Um destaque que deve ser falado é que Rose é interpretada por Allison Willians, que interpretava Marnie na série Girls (fiz uma carta de agradecimento a série, clica aqui) e que me mostrou que é uma ótima atriz independente do filme que a colocarem.

Peele conseguiu em seu primeiro longa metragem unir terror, suspense, comédia e te deixar tenso durante o filme de um jeito maravilhoso. É aquele filme excelente para todos verem e poderem discutir o quanto a sociedade ainda é racista. Indico para quem gosta dos mais variados tipos de filmes, mas principalmente para quem gosta de admirar os detalhes de uma boa obra. 

27 maio 2017

Se existe algo que sempre acredito gastar bem o tempo é com filme, acredito que todos os filmes acrescentam coisas boas na sua vida se não, ao menos te ensinam o que não deve ser feito rs

Fazia um tempo que estava sem ver filme por causa dessa rotina super corrida que nós temos, então aproveitei e em dois finais de semana consegui assistir à esses dois filmes e resolvi trazer para vocês. Como sempre não tem romance, mas espero em breve achar algum título nesse gênero que me interesse.


WER


Sinopse: No interior da França, uma família americana é brutalmente assassinada. Um misterioso homem é acusado do crime. Convencida de sua inocência, sua advogada tenta defendê-lo, mas descobre que um terror ancestral se esconde por trás de tudo.

Opinião: Wer é uma filme recente, na tradução livre o título seria algo como nós somos. Ele conta a história de uma pequena cidade que amanhece com um crime brutal: Uma pessoa/animal matou e comeu uma família quase inteira enquanto acampavam. Pela descrição o homem que acaba sendo acusado é um jovem que vive com sua mãe em uma pequena propriedade. Então uma jovem advogada entra na história para defender o homem, já que ela acredita na sua inocência. Porém o que ela não sabia é que toda história tem duas versões e que talvez ela não quisesse saber mais. Não é um filme excelente, na verdade ele é bem mediano, mas apresenta uma nova versão de um dos mitos mais conhecidos existentes pelo mundo (que não vou falar pra não dar spoiler). Vale a pena ser visto por esse novo olhar.


TERROR NA ILHA

Sinopse:Três amigas de infância deixam de lado seus problemas pessoais e se reúnem para um fim de semana só de meninas em uma ilha remota na costa do Maine. No entanto, algo errado transforma o fim de semana em uma luta mortal pela sobrevivência

Opinião: Um clássico filme de terror: três pessoas vão para uma ilha remota em busca de paz e um acontecimento faz com que vire uma luta de sobrevivência. Mas não é de todo ruim, as três amigas vão para a ilha porque uma delas queria muito juntá-las para passar um tempo juntas. Aparentemente elas passaram sua infância nessa ilha e portanto tem um mapa onde há alguns lugares marcados e aí está o erro do filme: em nenhum momento se explica direito essa história. Mas vamos continuar, chegando lá elas logo descobrem que não estão sozinhas, há mais três caras na ilha. Uma delas, decide flertar com um deles e por desistir ele a tenta estuprar, para fugir dessa situação ela pega uma pedra e bate em sua cabeça. Acontece que esse cara morre e por ter sido expulso do exército junto com os outros da ilha (mais uma coisa que não foi explicada!) acaba que seus amigos se mostram assassinos caçadores de gente e aí começa o terror: as três tentando se manter viva para escapar dos dois caras restantes. Não é uma história ruim, mas esses pontos citados deveriam ter sido melhor explicados. 

E então, aguém já assistiu algum desses filmes?

01 maio 2017

Há alguns dias comecei a assistir essa série queridona de muitas pessoas chamada Pretty Little Liars (ainda estou na 3ª temporada, nada de spoilers viu?) e por ser uma série que teve seu início em 2010 passou por diversos momentos da moda pelo qual eu também passei. Pensando nisso resolvi trazer esse post citando as 5 vezes em que as meninas nos ensinaram sobre estilo em seus jeitos mais únicos.


5) Quando elas resolvem correr na chuva de "A" usando salto alto
Como sabe que alguém é estilosa? A force a correr na chuva de salto e no caso das meninas isso ocorre ainda por cima na chuva! Inclusive a Hanna chega a falar "eu não estou com sapatos de corrida", porque essas meninas na maior parte do tempo andam de salto.

4) Quando a Hanna quase cega o Caleb com spray de cabelo
Isso pra mim foi sensacional, foi incrível ver ela o atingindo com o spray no susto e no final dizendo "Isso é só spray de cabelo", porque né gente vamos dar uma utilidade ainda melhor ao spray de cabelo e nos proteger que tal?

3) Quando as meninas vão ao baile de máscaras
Quer mais uma opção de estilo do que o baile de máscaras? As roupas dela ficaram super características com cada uma com uma roupa que fosse correspondente ao seu estilo de maneira única e em que seus vestidos chamaram toda à atenção.

2) A forma como Hanna reconhece a roupa de Alison
Durante uma das temporadas uma nova pista de quem é "A" aparece quando Alison aparece em uma filmagem usando um cardigan em que Hanna logo diz não ser dela por conhecer o guarda roupa de rodas as suas amigas, o mesmo acontece mais para frente com um sobretudo vermelho. Ter estilo é também reconhecer o estilo de sua amiga.

1) Na festa de Halloween
Foi nessa festa que deu para perceber o estilo de cada uma das meninas! Usando roupas escuras ou super elaboradas elas deram um arraso evidenciando que o estilo de cada uma é único e tudo bem não ter nada a ver com suas amigas.

E vocês, já assistiram essa série?

04 abril 2017

Eu sempre fui uma fã super assídua de Disney e assisto tudo por ter essa paixão. Quando foi divulgado que ia ter A Bela e a Fera nos cinemas meu coração foi para a boca, afinal se vocês não sabem essa animação foi a primeira de longa duração que a Disney investiu, então todos os detalhes haviam dado um belo de um trabalho.

O filme segue a mesma linha que o desenho com algumas alterações: A Bela ao invés de usar sapatilha usa bota e é inventora como o pai. A história provavelmente vocês já conhecem mas vou contar: Bela mora com seu pai em uma cidade minúscula onde não há nada e todos os habitantes fazem as mesmas coisas todos os dias. Um dia o pai de Bela sai à trabalho e se depara com uma floresta morta, ele segue adiante em meio a tempestade de neve e chega a um castelo. Ele recebe roupas limpas, comida e um local para deixar o cavalo. Ao sair ele encontra rosas e decidi pegar uma, já que era o que a Bela havia pedido. A Fera vê e fala que ele não vai sair dali e o pai dela então fica preso. Seu cavalo volta à vila e leva a Bela até seu pai, onde ela assume o lugar dele por livre vontade.

À partir de então a história no filme começa a se desenvolver, achei que como não era um desenho tudo aconteceu mega rápido. Diferente do desenho a Fera já sabia ler e a Bela começou a ter compaixão por ele quando ele adoece. Aqui vai começar algumas críticas minhas e que se você é contra, apenas respeite: Emma Watson quis mandar e desmandar nesse filme, ela disse como deveria ser a roupa o que achei ok tirar o uso do corpete, mas a modelagem do vestido não é da época que se passa o filme e os adornos na barra ficaram bem sem sentidos. Emma também só teve duas expressões durante o filme inteiro: apaixonada e "cara que serve pra tudo" e isso pra mim foi muito tenso porque eu não consegui me envolver com o filme. O melhor ator durante o longa é Gaston, um cara que se diz apaixonado pela Bela e que faz de tudo pra se casar com ela, porém nessa temos um erro grave. Gaston amarra o pai de Bela em uma árvore em um local cheio de lobos para que ele morra e seu criado não faz nada e aparentemente toda a cidade se esquece desse fato.

Os enquadramentos estavam péssimo, sabe aquela cena em que a Bela volta para ajudar seu pai e a Fera solta um urro? Essa cena não existe no filme, a música que eles adicionam é ok, mas eles ficam cortando para vários outros lugares e não mostram ali a emoção dele na hora (deixa o cara brilhar, pô!) e a pior: A cena mais aguardada é a valsa da Bela e a Fera e eles ficaram cortando pra tudo que era lugar menos pra mostrar a dança, me poupe.

Ainda seguindo a linha dos enquadramentos, há vários pretos dados quando queremos trocar de um local para o outro super desnecessários, eu falava "vixi vai mudar de local" e não mudava. Foi um erro muito grave.

Todas as músicas estavam ótimas, exceto a do Gaston e seu companheiro que do nada ele vira e fala "eu não sei soletrar, sou analfabeto" ficou meio sem noção ali no meio da música, mas achei ok.

A fotografia do filme estava excelente, foi maravilhoso adicionarem personagens LGBT e negros na história e transformar a Bela em uma inventora, o erro foi que ela inventou apenas uma coisa durante o filme todo. Também ficaram em cima falando dela ensinar as crianças da vila a lerem e a cena dura apenas 5 segundos.

Teve muita coisa boa, mas os erros me impediram de gostar do filme assiduamente e não me deixaram me emocionar como aconteceu com a maioria das pessoas. Emma Watson é uma atriz ótima, porém nesse filme ela não brilhou não sei se revelou que ela é daquelas que brilham com um filme só ou que foi mau dirigida (não me venham falar de quando ela fez Hermione, ela foi ótima lá nesse filme não). Tenho muito mais críticas mas se vocês querem saber de tudo mesmo assista esse vídeo e esse da Lully que vocês vão entender de uma visão profissional o que eu falei aqui.

E vocês, o que acharam do filme?

15 março 2017

Muitas pessoas que me acompanham aqui sabem que eu sou a louca das séries, sempre assistindo alguma nova ou revendo uma antiga. Minha relação com séries começou cedo graças ao SBT que passavam Superman, Full House (Três é demais), Gilmore Girls e outras.

Com o tempo passei a ver na Sony, Warner e outros canais. Na faculdade, sim só na com +18, aprendi a baixar séries e agora possuo Netflix para ficar fazendo maratona porque isso faz parte da minha vida, não importa o que eu faça.

Foi por isso que quando a Cristiane do Coruja Sem Asas me indicou a tag séries eu não pensei duas vezes em responder. Para ficar algo mais animado eu resolvi responder por vídeo.

  
E então, quais seriam as suas respostas?

02 março 2017

Quem me acompanha nas redes sociais  Instagram, Twitter e SnapChat (VestindoIdeias) eu sou a louca das séries. Cada vez eu assisto uma ou revejo algo que não via faz séculos. Fiz isso com Gilmore Girls e estou fazendo com Grey's Anatomy.

Eu acompanhei a série até meados de 2011, mas sem seguir uma ordem porque via no canal Sony. Esse ano eu resolvi rever todos os episódios e descobrir onde parei então percebi que eu sempre vou ser apaixonada por cada característica de cada personagem.
Primeiros personagens porque sim!

Mas chega de enrolação e vamos as minhas 5 razões para fazer você querer assistir Grey's Anatomy:

 1) Eles são absolutamente contra nepotismo
A personagem principal é Meredith Grey, filha de Ellis Grey, que começa a ser uma interna (internship = estágio) no Seattle Grace Hospital. Indo contra a ideia de ser obrigada a seguir os passos de sua mãe ela deixa bem claro que não está lá por causa de uma memória e sim porque é boa. Isso fica mais claro quando o doutor Avery começa a fazer parte da equipe, sendo que ele também é parente de alguém bem influente.

2) Mostram que gente pobre sofre e muito com problemas de plano de saúde
Muitos dos pacientes que chegam no hospital acabam falando que não tem dinheiro, plano de saúde (lá eles costumam saber de seguro saúde) e então os médicos costumam dar um jeito de driblar isso. O caso que mais deixa transparecer que nem sempre esses seguro saúde dão conta é quando uma médica para ajudar, decide por se casar com um paciente.

3) As mulheres na série são evidenciadas por seu talento
Quem nunca viu o gif onde Cristina Yang diz "Eu não sou bonita, eu sou um gênio, se quiser me elogiar elogia meu cérebro"? Pois é, ao invés de serem tratadas como quem não conseguem algo por serem frágeis elas vão lá e fazem uma cirurgia cardíaca ou conseguem colocar um ombro no lugar. 

4)Os maridos não conseguem mandar em suas vidas
Meridith e Cristina são super amigas e chamam uma a outra de 'a person' (a pessoa) e seus maridos tem plena consciência disso. Porque se elas não querem algo, elas não vão fazer. A nossa querida Yang é o exemplo máximo que isso poderia ter, sério. (pelo menos até onde eu assisti)

5)Não é uma série somente sobre medicina
Ok, eu aprendi muita coisa assistindo aos episódios mas não é somente sobre isso. Na verdade há muito mais coisa, pra mim é principalmente sobre amizade e como mantê-la apesar da agenda corrida de cada um.

Enfim, existem diversos motivos além desses e sério: Se você nunca assistiu, assista porque Shonda Rhimes sabe o que faz.

18 fevereiro 2017

Vamos lá para mais uma sessão Pipoca para vocês! Infelizmente ainda não fui no cinema esse ano, então minhas indicações continuarão a ser aquelas que vocês podem assistir na Netflix. Eu estou bem viciada em suspense, então não me culpem ok? Pretendo começar a ver outras coisas em breve.


Caso 39

Emily Jenkins é uma assistente social que faz seu trabalho no automático, em meio a tantas coisas ruins acontecendo com as crianças. Um dia ela está atolada de trabalho e seu chefe lhe dá mais um, o caso 39. É de uma garota que possui reclamação de que não tem dormido direito em casa e seus pais agem de maneira extremamente estranha durnate a visista da assistente social.
Após isso Emily fica cada vez mais envolvida com a menina e uma noite a menina a liga para informar que está com medo de morrer. Ela então vai até a casa com seu amigo policial e descobrem que os pais estavam tentando matar a menina no forno.
Mas como não é o que parece a menina possuía segredos e a vida de Emily vira de cabeça para baixo. Não posso dar spoilers, mas posso garantir que cada reviravolta no filme é maravilhosa e que merece sua atenção. 


3086 dias

Baseado em uma história real, conta a história da  Natascha Kampusch raptada em 1998 e libertada em 2006. Mostra-se através de uma visão de fora, como a menina foi raptada e como foram os dias dela em cativeiro. Foi mostrado o que a impedia de sair correndo e todo o terror psicológico que ela sofreu durante esse tempo. Foi muito interessante mostrar isso, já que algumas vezes acabamos julgando a pessoa por nunca ter fugido. Em algumas horas eu ficava até mesmo agoniada com o que eu estava vendo. Foi bem interessante ver a história dela naquele período.

14 janeiro 2017

Vocês sabiam que grande parte dos filmes atuais são inspirados em filmes antigos? Se você for pegar cada elemento poderá perceber facilmente que muitos elementos presentes já foram pensados naqueles filmes que possuem mais de duas horas de duração de antigamente.

Confesso que demorei muito tempo para começar a assistir clássicos (comecei no ensino médio apenas) e desde então venho me apaixonando ainda mais, principalmente por ter estudado cerca de 4 semestres sobre cinema na faculdade (diferentes versões, diferentes disciplinas).


Esses dias eu assisti dois clássicos que fazia um belo tempo que eu estava para assistir e nunca dava, principalmente porque estavam para sair da Netflix e eu sempre deixava pra lá por eles estarem lá.

Bonequinha de Luxo

Eu sei, já deveria ter assistido ao filme, mas antes tarde do que nunca. O filme conta a história de Holly Golightly, uma jovem garota de programa que recebe dinheiro até para ir o banheiro (seus famosos golpes). Ela está com tudo indo relativamente bem, até que aparece em sua vida Paul Varjak, um escritor que é amante de uma mulher que o mantém. Eles se tornam amigos e acabam se envolvendo e nessa acabamos conhecendo um pouco mais sobre a história de Holly. Eu assisti ao filme e fiquei me perguntando porque não o assisti antes, o figurino, o enredo e até as atuações são impecáveis. Isso sem contar que Holly ama a Tiffany e há menção a várias jóias ao longo do filme. É aquele tipo de clássico que já abordava questões mais chocantes em uma década que era tão conservadora.

O fabuloso destino de Amélie Poulain

Sabe aquele filme que você já viu todos os memes e nunca entendia? Ou então que via a cena do morango e ficava sem entender? Pois é, claramente eu. O filme é de uma forma de edição diferente: Há um narrador, ele quem conta como é a vida de Amélie. Começa-se contando de sua infância e depois vai para sua vida adulta. Amélie é uma jovem sonhadora que sai do interior e vai morar em Paris, um dia encontra uma caixinha em seu apartamento e vai à procura do dono e então sua perspectiva de bida muda radicalmente. Uma das coisas que mais gostei foi o fato de ela fazer joguinhos com tudo, o que mostrou que ela é uma pessoa excêntrica. Apesar de gostar muito, achei que o filme é super estimado, apesar de ser bom. Mas é apenas minha opinião.

E então, vocês já haviam assistido algum desses filmes?

08 janeiro 2017

Passar as férias assistindo séries, quem nunca? Pois é, as minhas até o momento estão definidas em fazer isso. Apesar disso não tenho assistido muitas séries (na verdade, só continuei com algumas e vi muitos, mas muitos filmes!), mas mesmo assim consegui assistir três (de muitas que eu gostaria!)
A primeira é tanto polêmica tem os que a amam e os que a odeiam. Eu sou do tipo em cima do muro mesmo. A série é sobre um mundo acabado (pós apocalíptico)  em que há apenas duas vidas: A do pessoal que vive no continente - onde há falta de tudo e do Mar Alto. Para poder viver no Mar Alto é necessário passar por diversas provas e apenas 3% conseguem passar. Muitas pessoas reclamaram do português falado muito correto, não achei isso ruim. Das roupas serem forçadas: Já vi piores. A questão é que eu dei uma chance e gostei, não odiei nem amei. É uma série que te faz rever os conceitos e pensa: Nossa, verdade ninguém é totalmente bom e acho que a maioria das críticas é por ser uma produção brasileira. Isso sem contar que há bastante representatividade negras no poder (sim, mulher), deficientes físicos... Há de tudo. Indico assistir e tirarem suas próprias conclusões.
Comecei a assistir The OA após muitas indicações por pessoas que eu via no twitter (Ainda não me segue? Clica aqui) e lá fui eu assistir. O enredo é sobre a jovem Praire que desaparece quando adolescente, causando modificações radicais na vida de seus pais adotivos. Ela reaparece mudada (ela recupera sua visão perdida na infância) e se recusa a contar sobre onde passou todos os anos que fica desaparecida. Ela então reúne 5 pessoas para fazer uma missão e ajudar aqueles que estavam presos junto com ela. Eu me apaixonei pela série logo no episódio piloto e confesso ter terminado em 3 dias apenas pelos episódios serem longos, se não teria terminado antes. O enredo é muito bem construído e a personagem conseguiu me cativar apesar de me dar raiva em certos instantes. O final confesso que não esperava e estou na dúvida se deve ou não acontecer uma segunda temporada.
Essa não é novidade e já havia assistido à primeira temporada (assim como todos os episódios de Full House - Três é demais) e olha: Fuller House está cada vez melhor. Eu amei que nessa segunda temporada foi explorado um pouco mais sobre os personagens da casa e principalmente por ser uma trama mais leve (olha os acima, eu tava precisando né!) e eu me apaixono a cada dia mais pela série e pela simplicidade da trama. Se você não curte série em que aparece pessoas rindo ao fundo (tipo The Big Bang Theory) eu não a indico, mas se você não liga fica à vontade.

Também assisti ao episódio especial de Natal de Sense8, alguém mais?
Necessito de indicação de séries, se você tem alguma deixe aqui embaixo! E então, assistiu alguma dessas?




17 novembro 2016



Apesar do tempo zerado por causa do TCC (apresento dia 29, socorre!!) eu tenho assistido alguns filmes, porque né é necessário relaxar. Tenho procurado alguns filmes de suspense ou mais antigos para poder fazer a cabeça funcionar rs Por isso vou trazer os que assisti recentemente, são apenas dois mas é o que está dando no momento.

A Garota no trem
Eu já começo avisando que não li o livro, mas curti muito o filme. É a história de uma mulher alcoólatra que todos os dias pega o mesmo trem e passa no mesmo lugar. Todos os dias ela observa a vida de um jovem casal pela janela do trem até que presencia uma cena que considera chocante e tudo muda. Olha, só digo que o filme é surpreendente. Alguns momentos me fizeram pensar que o livro talvez fosse mais interessante e com mais detalhes e sendo sincera acredito muito que seja. O final é algo muito legal e spoiler: envolve psicologia. Legal né? Eu super indico apesar de achar que tem alguns buracos meio complicados de engolir e sentir falta de descrição maior, mas acredito que para quem leu o livro vai ser bem tranquilo.

Cisne Negro
Esse aqui vai pra famosa série "Carla, que mundo você vive?!?" eu sei, mas antes tarde do que nunca. Já perceberam que eu curto muito quando os filmes pegam mais pra um estado psicológico da coisa né? Esse filme é inteiramente assim, conta a história de uma bailaria que está há anos em uma companhia de dança, porém sem seu reconhecimento necessário. Um dia abre uma seleção para saber quem irá interpretar as rainhas e aí começa toda a história. Esse é daqueles filmes que você deve prestar atenção aos detalhes e ficar bem, bem atento. É daqueles filmes que terminam e ficamos pensando sobre, é uma discussão sobre sanidade maravilhosa. indico demais.

E vocês, quais filmes têm assistido? 

01 setembro 2016

Eu sei que eu tenho dado muito mais atenção aqui no blog a falar de filmes e séries do que necessariamente sobre tutoriais dos mais diversos, mas o blog é um reflexo do que estamos passando né? Então, exatamente por isso vamos ter mais posts com essa temática, provavelmente.



E um fato inegável da minha vida é: Com o TCC eu tenho tentado me acalmar de diversas maneiras e tenho feito isso assistindo séries. Como as minhas estão em hiatus eu to aproveitando para rever Gilmore Girls e também parei para repensar as séries que eu assistia na minha adolescência ou pré adolescência, que por incrível que pareça até hoje as pessoas assistem.

THE OC
Quem aí assistia "The OC - um estranho no paraíso" no SBT? Eu era uma típica criança pobre que não tinha TV a cabo, então assistia tudo por essa emissora mesmo. Comecei assistindo essa série por influência do meu irmão mais velho e acabei curtindo até os dias de hoje, inclusive revendo várias vezes. Ah, e a Netflix em breve vai ter a série em seu catálogo, legal né?

The Big Bang Theory
Essa eu comecei a ver porque minha mãe curtiu a série que foi indicada pelo meu irmão (Meu Deus, minhas referências não são minhas SOCORRE! rs) e eu simplesmente amei. São muitas temporadas, muitos episódios. Mas como não se apaixonar pelo Sheldon? Isso mesmo, impossível. Sugiro vocês começarem a ver desde o começo para entenderem a famosa expressão bazinga, é muito legal.





Gilmore Girls
Essa série eu estou revendo atualmente já que não lembrava da maioria dos detalhes e posso dizer: Estou amando. Algumas coisas que irão acontecer eu já sei e fico apreensiva, mas é daquelas séries que te fazem entender o feminismo sabe? Mesmo sem ser o foco principal. Indico muito, além da Rory ter muuuuita, mas muuuita bagagem cultura mesmo.

Também incluiria Friends, mas confesso que faz um ano mais ou menos que não vejo (eu assisto muita série, até semestre passado eu estava vendo 6 ao mesmo tempo!) por falta de oportunidade, mas é uma série inesquecível também. E só fui assistir Gossip Girl esse ano (terminei em 2 meses todas as temporadas), se não ela entraria pra essa lista.

PS: Na minha adolescência eu fui a louca das séries médicas e policiais, mas irei fazer um post específico sobre isso ok?

E vocês, quais séries marcaram suas vidas?

29 julho 2016

Nessas férias eu dei uma abusada e fui algumas vezes no cinema (apesar de pagar meia o dinheiro tá curto) e nas duas vezes eu fui assistir animações. A verdade é que os desenhos estão cada vez mais adultos né? E está impossível simplesmente ir assistir e se divertir sem rolar uma comoção.
Mas isso não quer dizer que estão ruins: Muito pelo contrário, estão cada vez melhores. Os dois filmes assistidos foram os tão comentados Procurando Dory e A era do gelo: O Big Bang.

O que falar de uma personagem que é mais cativante que o próprio Nemo? Sério, a Dory pra mim ganhou as atenções no filme Procurando Nemo. Nesse filme só dela, começa-se algum tempo (não lembro quanto) após o resgate do Nemo. Ela então tem uma lembrança de sua família e decide ir atrás do lugar onde foi criada.

Nessa obviamente, ela se perde e então o pai do Nemo e ele se veem obrigados a irem atrás dessa peixinha sem memória. É aí que a história ganha graça: A Dory vai tendo diversas lembranças sobre sua infância e de porque ela sempre se lembra de que ela tem uma doença que causa a perca de memória. É um filme tão maravilhoso que mal sei expressar. Ah, e tem cenas pós créditos!!
Esse filme eu fui assistir sem nenhuma pretensão, já que vi resenhas falando mal. Mas fui surpreendida. Assisti ao filme dublado (é impressão minha ou nunca tem legendado para animações?) e juro, não me arrependi. A história é uma continuação do último e o foco além do Big Bang, obviamente, é o casamento da Amora.

Eu me emocionei muito com esse filme, já que eu como uma garota que namora há anos e tem um pai ciumento, eu o vi ali no ciúmes do Manny em relação à Amora. E sério, não tem nada de exagerado no filme. Ele tem um humor na dose certa e amo os personagens secundários e saí de lá querendo mais um rs Achei muito legal, me diverti, chorei e foi muito intenso. 

Os dois filmes são puro amor e vocês, já assistiram?

07 julho 2016


Chorar com filmes é algo muito comum, mas existem pessoas que choram com qualquer filme. Eu só choro se acho que o personagem tem empatia, logo não chorei com Marley e eu (por culpa do dono, não do cachorro), também não choro com alguns filmes de romances quando já sei que o final é previsível (realidades).

Mas choro com filmes de comédia que possuem uma pegada de drama em alguma parte, mesmo que seja passageira, choro mesmo. Sou muito manteiga derretida e por isso resolvi trazer para vocês 3 filmes de comédia que me fazem chorar (sério, não importa quantas vezes eu assista).

Click
Esse filme é um caso à parte pra mim, cada vez que eu assisto eu choro em algum ponto diferente. Choro no final, choro durante, cada vez eu começo a fazer isso em determinado ponto. Sei que as pessoas acham esse filme engraçado, ainda mais por ter o Adam Sandler, mas pra eu choro sempre rs

Minha mãe é uma peça
Gente, esse filme eu já começo chorando. Sabe quando você pega as dores da mãe que é retratada e chora? Choro também numa cena que ela fala sobre a juventude com a irmã dela, juro que me mato de chorar.

Toy Story 3
Ok, esse é um filme pra adulto. Mas digamos que chega no final eu já estou me matando de chorar e não aguento. A parte comédia pra mim fica pra depois, os personagens parecem tão reais né? Mas faz parte.

E vocês, choram com algum filme de comédia?



Me siga @caahwolf